Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

ESTADO SOCIAL

respigos e reflexões sobre o território e a sociedade

Caminhos alternativos para o futuro, a partir de Aljustrel

02.05.14

O fim do protectorado da Troika terminou com um apelo do FMI a uma ruptura com o passado - i.e. regulação do controle orçamental - e a um compromisso de futuro «em torno de políticas económicas sólidas a médio prazo» (Expresso, hoje) sem se vislumbrar a natureza dessas orientações.

O economista António Figueiredo tem vindo a produzir no blogue Interesse Público, Acção Privada - cuja leitura atenta recomendo vivamente - uma análise muito critíca da postura do FMI assinalando a sua «perspetiva padronizada, sem sensibilidade e abertura para compreender a economia portuguesa nos seus devidos contextos».

Seria de esperar que da parte do Estado - e sobretudo perante a perspectiva de mobilização de 20 mil milhões de euros do pacote financeiro 2014-2020 -  houvesse um esforço de reflexão sobre o futuro do país - da economia e da sociedade - que clarificasse o tal conjunto de apostas de política que o FMI sugere hoje. Lamentavelmente tal não ocorreu, ou se ocorreu não de forma clara e consequente.

Curiosamente, tem vindo de outros actores - o poder local, por ex. - alguns esforços prospectivos relativamente ao futuro. Um desses exemplos vem do Alentejo, onde a autarquia local organizou recentemente as Conferências de Aljustrel

António Figueiredo foi um dos oradores convidados tendo alertado para o facto de não fazer sentido discutir o futuro do país, dos seus diferentes territórios e das suas opções sem podermos «respirar», isto é, sem «inverter a caminhada para o precipício». Precisamos de tempo e de estudar alternativas.

João Ferrão - antigo secretário de estado do Ordenamento do Território e actual Pro-reitor da Universidade de Lisboa - encerrou a conferência lembrando que, apesar da incerteza e complexidade do momento que atravessamos, há caminhos alternativos para «construir uma agenda de futuro que dê resposta às necessidades da sociedade portuguesa». Ensaiou um roteiro inspirador que vos convido a assistir.